Mulheres Rendeiras

30 ago

Oi gente!

Para introduzir o assunto de hoje, vou pegar emprestada uma música que especula-se ter sido escrita pelo próprio Lampião:

♫ Olê, Mulher Rendeira,
Olê mulhé rendá
Tu me ensina a fazer renda,
eu te ensino a namorá… ♫

Acho que namorar é fácil de aprender, mas fazer renda? Ui, isso é arte! E no Brasil temos muitas mulheres que sustentam essa arte como um dos nossos grandes patrimônios. As famosas mulheres rendeiras.

Achei essa foto com muito custo (dá para ver pela high quality) de um dos vestidos da Açucena que eu mais gosto. É todo feito de renda, típica do Nordeste, com fios multicoloridos. Ela usou no noivado com Jesuíno, no início da novela, e algumas vezes depois. Lindo, lindo.

Primeiro, acho que é importante fazer uma distinção entre os dois principais tipos de renda: a renda de agulha e a renda de bilro. A primeira é aquela renda mais…tradicional seria a palavra? Acho que sim. É um tipo mais delicado, e a diferença é na execução. Copiando a explicação do Wikipedia  “os rendeiros desenham o motivo em papel-pergaminho e fixam-no num fundo de linho encorpado. A renda é executada preenchendo o desenho com pontos caseados. O desenho pode ser preparado separadamente e o fundo acrescentado depois.” Animou de fazer? Não?

Bom, o segundo tipo – a renda de bilro, também chamada renda da terra – é a famosa renda do Nordeste. Mais precisamente, do Ceará, Estado que concentra o maior número de mulheres rendeiras. Recorrendo ao wikipedia mais uma vez, “o seu desenho é executado sobre uma almofada. O rendeiro fixa pequenas cavilhas na almofada ao longo das linhas do desenho e trabalha com muitos bilros (pequenos fusos de madeira furados), por onde passam os fios. Quando a renda está pronta, o rendeiro retira as cavilhas e a renda da almofada”. Agora você pegou, né? Já vai até comprar a almofada amanhã. #AhamClaudia

 Pois é, a origem dessa renda é portuguesa, e a técnica já era usada no século XV. Veio para o Brasil na colonização e acabou se tornando um meio de vida para muitas mulheres, que continuam passando o ofício de mãe para filha. Muitas se juntam em cooperativas, vendem para lojas e até exportam.

Tive a oportunidade de conhecer um desses centros das rendeiras próximo a Fortaleza, e fiquei impressionada com o trabalho. Primeiro, porque é lindo e super bem feito. Segundo, porque é muito barato. Todo mundo sabe que em artesanato não se cobra tanto pelo material, mas sim pelo trabalho e tempo despendido. Então fiquei besta com os preços. E indignada, porque tem muita grife por aí comprando a preço de banana no Nordeste e vendendo a peso de ouro aqui no Sudeste. Pelo menos deveriam pagar um preço justo às rendeiras, já que vão ter lucros astronômicos. Ou divulgar a causa,  como aconteceu na parceria entre o estilista gente fina Ronaldo Fraga e mulheres rendeiras da Paraíba.

Olha só que simpáticas as artesãs.

Eu em um momento de crise existencial (perceba a expressão de preocupação da pessoa, as contas mentais que se passam pela cabecinha nesse momento crítico). A razão ganhou e a bolsa ficou. Mas comprei o bolerinho colorido da terceira foto e dez porta-copos lindos por apenas R$12. Futuro enxoval, ladies. Uma mulher prevenida vale por duas! haha

Realmente recomendo a todos que vão ao Ceará, especialmente as mocinhas, a dar um jeitinho de ir em uma dessas cooperativas. É muito legal ver a renda sendo feita na sua frente, ao vivo. Mas se estiver complicado, nas próprias cidades há feiras e lojas que vendem os produtos.

Quero aproveitar e deixar um super parabéns para minha querida sis que está do lado de cima do Equador e está fazendo aniversário hoje. Foi com ela que eu fiz essa incursão no reduto das rendeiras. Happy birthday, sis!

Se quiser saber um pouquinho mais, segue um link com algumas informações a mais. E uma Salva de Palmas para todas as mulheres rendeiras, que conservam há tantas gerações uma arte tão bonita e ainda sustentam suas famílias com seu trabalho.🙂

Abraço a todos =)

7 Respostas to “Mulheres Rendeiras”

  1. Roberta Fázio agosto 30, 2011 às 1:42 am #

    Deia, eu AMO essa música e o ritmo dela…já sinto vontade de dançar só em pensar…hehe
    Estou amando esses posts nordestinos por aqui…muito legal sua matéria sobre as rendeiras, elas merecem todo nosso apoio, são telentosas e muuuito guerreiras!!! bjos!!!

    • blogdadeia setembro 1, 2011 às 2:48 pm #

      Concordo! Temos que valorizar o que temos de melhor =D
      Ai, e a música é gostosa mesmo, né? hehe Adoro!
      Bjo!

  2. Carla Fázio agosto 30, 2011 às 11:18 pm #

    Tudo que o nordestino faz tem alma…e as rendeiras são parte da nossa terrinha. Linda matéria…Parabénsssssssss…bjos!!!

    • blogdadeia setembro 1, 2011 às 2:51 pm #

      Olha só…que honra Dona Carla por aqui! hehe
      Viu como a terra de vocês está rendendo no blog? Estou achando muito legal conhecer mais a respeito da cultura nordestina, e realmente tem mta alma
      Bjo e obrigada!

  3. Ju setembro 7, 2011 às 12:11 am #

    Uai, Deia! Estava eu navegando pelo seu blog, lendo os últimos posts, quando me deparei com uma menção a mim! Hehe! Valeu! Me deu mó saudade das nossas férias naquele paraíso! Adoro esse artesanato! É muito legal vc honrar o trabalho das mulheres rendeiras! Ô Nordeste bão, sô!

    • blogdadeia setembro 7, 2011 às 9:49 pm #

      Bão meeesmo! Tá que rende assunto por aqui!
      Acho que a foi a última vez que eu tomei sol oficialmente! credo…haha

  4. Ju setembro 7, 2011 às 12:13 am #

    Esqueci de comentar: tô mó negona nessas fotos, né? Acho que tô precisando voltar lá pra bronzear.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: