Arquivo | Pé na Estrada RSS feed for this section

Asa-delta no Rio! Anima?

27 out

Oi gente!

Há exatamente duas semanas eu estava na rampa da Pedra Bonita, no alto da Cidade Maravilhosa, pronta para saltar de asa-delta. Tive o privilégio de ficar mais de meia hora esperando pela minha vez. Privilégio? Bom, quando a vista é essa aqui…

Vista de São Conrado retirada deste site: http://bit.ly/tCRiW3

…eu realmente não me importo em tomar chá de cadeira. 🙂

Pular de asa-delta é uma daquelas experiências que constavam na minha lista de Coisas Legais que Vou Fazer na Vida. Aliás, acho que essa é uma lista que todo mundo devia ter. Quando a gente escreve e oficializa o desejo, a antena fica ligada em qualquer oportunidade de realizar aquilo. Guardamos dinheiro, nos programamos, e aí a probabilidade de ver a coisa acontecendo é muito grande. Mais do que sonhar alto, é muito importante fazer por onde para ver as coisas legais acontecendo na sua vida.

Agora a experiência é in-crí-vel. Uma delícia, de verdade. Muita gente pergunta como eu e meus amigos tivemos coragem. E a primeira coisa que eu tenho a dizer é: não é tão tenso assim. Fiquei mais tensa no dia anterior do que na hora do vamos-ver. Quando estava voando então, foi suuussa! É tão bom brincar de passarinho e a vista é tão linda que nem tive tempo de pensar o que eu ia fazer se o negócio caísse. Na hora, a palavra de ordem é: relaxe. E curta a vista. 😉

Acho difícil um lugar mais legal para voar do que o Rio. Eu realmente adoro essa cidade, então acho que sou meio suspeita pra falar. Mas uma cidade encravada no meio da natureza, cheia de morros, matas e praias? Não tem erro. Tudo fica ainda mais interessante lá de cima.

E para você que quer saber como funciona esse negócio de voar de asa-delta no Rio, vou deixar um passo-a-passo de como foi para mim e meus amigos.

  1. Há várias “empresas” que fazem o vôo. Na verdade, são instrutores de vôo que fazem parceria com outros pilotos para realizar os vôos. O jeito mais fácil de procurar e escolher a que você quer é pela internet. Pelo que vi, o preço não varia muito e fica perto dos R$200. Minha amiga recebeu uma indicação do Beto (http://www.betorotor.com/)  e fechamos com ele nesse valor. Super aprovado!
  2. A gente deixa pré-agendado por e-mail (porque tudo depende das condições do tempo na hora do vôo). Marcamos um lugar onde eles ficam de nos buscar que, no caso, foi um shopping na praia de São Conrado. É sobre essa praia que sobrevoamos. Se você estiver hospedado na Zona Sul ou na Barra da Tijuca, eles podem te buscar. O transfer é R$40 para 4 pessoas.
  3. Nos buscaram em um buggy amarelo, com uma asa-delta desmontada em cima. Primeira impressão, niiiice!
  4. Eles nos levam de carro até a sede do clube de asa-delta de São Conrado. Lá a gente paga R$15 pra fazer uma carteirinha, porque legalmente a experiência precisa ser considerada como uma “aula de vôo”. Na prática, você vai sair pilotando tão bem quanto menino de 3 anos que nunca viu carro em um primeiro dia de auto-escola.
  5. Eles definem quem voa com qual instrutor, assinamos um contrato (“Diga para minha mãe que eu morri feliz”), e subimos o morro de carro até a rampa de salto.
  6. Lá vestimos a roupa-de-olimpíadas-do-faustão e treinamos a corridinha com o instrutor. Essa é a única coisa que a gente tem que fazer: correr na rampa na hora de saltar. Quanto mais rápido e sincronizado, melhor a saída. Então, mesmo que pareça uma galinha estúpida e desengonçada, corra!
  7. Nos prendem na asa-delta e entramos na fila. É uma galera saltando todos os dias.
  8. Corremos e saltamos (uhuuuuu!). Tem que gritar, viu?!
  9. Dura uns 10 minutos normalmente. Raramente, quando o vento está excepcional, pode durar mais. Mas 10 minutos já são suficientes para curtir muito!
  10. Hora de pousar. É um pouco tenso, eles dão meio que um mergulho tipo descida de montanha-russa, mas é friozinho-gostoso, e não friozinho-eu-vou-morrer-eu-vou-morreeeeer!!!
  11. Só uma dica: quando estiver quase parando, tente ficar do lado do instrutor, e não atrás dele. Sair arrastando o joelho na areia…não é legal.
  12. As fotos e a filmagem são à parte. Cada um é R$50. Você escolhe o que quer, pega o CD e paga tudo. É bom que a gente só paga depois do vôo.
  13. Fim!

Sabe quando você acaba de ir em uma coisa muito legal e quer ir de novo? É essa sensação que dá: let’s do it again! Nada que R$200 não possam fazer. É…fica pra próxima.

Como eu já disse, a experiência realmente é incrível, e só não recomendo se você morrer tiver fobia de altura. Mas em todos os outros casos, o medo é totalmente superável. A minha filosofia nesse tipo de coisa é: se alguém deu conta, eu também dou.

Fica então a dica para você que gosta de um pouco de aventura. Lembrando sempre que o que se leva dessa vida é a vida que se leva. 😉

Abraço a todos =)

Anúncios

Ilhas Paradisíacas

11 ago

Oi gente!

Falta de assunto é um problema, não é? Estava eu aqui pensando nos muitos países que existem dos quais nunca ouvi falar, e resolvi pesquisar a respeito. Resultado: caí em uma lista com o nome de todos os países do mundo e escolhi três desconhecidos com nomes estranhos para saber onde ficavam . Quanto mais eu penso nisso, mais eu me acho demasiadamente carente de um serviço útil.

Agora olha a coincidência: os três países são arquipélagos de ilhas paradisíacas. Muito paradisíacas. Sabe aquelas imagens que a gente coloca como fundo de tela? Pois é lá mesmo. Postei algumas imagens e alguns dados a respeito de cada país. Mas se tiver interesse, o Wikipedia tem um perfil bem completo de cada lugar.

Apesar do post estar na coluna Pé na Estrada, é válido dizer que geralmente só se vê dois espécimes nessas localidades: nativos e super ricos. Mas nós somos pessoas de fé, não é? Por isso deixei sites úteis para você conhecer mais a respeito de cada lugar e programar sua visita no próximo feriado.

Então vamos ao que interessa?

SEYCHELLES

Localização: Oceano Índico ocidental; próximo a Madagascar (terra do Rei Julian)

Língua oficial: inglês, francês e crioulo de Seychelles (dá para para se comunicar, então)

Fato importante: lugar escolhido por Príncipe William e Kate Middleton para sua lua de mel (espertinhos)

Site: http://www.seychelles.travel/en/home/index.php

TUVALU

Localização: Estado da Polinésia, ao sul da Oceania; fronteiras marítimas com Kiribati, Tokelau, Samoa e Fiji (ou seja, continuamos não sabendo onde está)

Língua oficial: inglês e tuvaluano (idem)

Fato importante: corre o risco de de ser submerso devido ao aquecimento global, já que a maior parte das suas ilhas não ultrapassam 7 metros acima do nível do mar (então corra antes que suma)

Fato importante 2: ótima localização para a lua de mel do Príncipe Harry (príncipe, estou disponível o/)

Site: http://www.timelesstuvalu.com/

VANUATU

Localização: Estado insular da Melanésia; fronteiras marítimas com Nova Caledônia, Ilhas Salomão e Fiji (mais uma vez, desconhecemos o real paradeiro)

Língua oficial: bislama, inglês e francês (idem idem)

Fato importante: onde está localizado o vulcão ativo mais acessível do mundo, segundo o site Lonely Planet (acessível para quem tem pouco amor a vida, leia-se)

Site: http://vanuatu.travel/ 

Bom, ficamos por aqui. Espero ter contribuído um pouco para expandir seu conhecimento geográfico e aumentar sua motivação para ganhar dindin para viajar por aí.

Abraço a todos =)