Arquivo | Insights RSS feed for this section

Vida com propósito

5 dez

“…mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que ficaram para trás e avançando para as que estão adiante,
prossigo para o alvo, a fim de ganhar o prêmio da soberana vocação...”

Carta de Paulo aos Filipenses

Boa semana a todos =)

Anúncios

Desejos para 2010

1 jan

Oi galera!

Estava sentada aqui pensando no que eu iria escrever no primeiro dia do ano. Eu sei que pra muitos de nós fim de ano é sinônimo de uma noite legal e bem curtida, seguida de um dia beeem morto e paradão, seguido de um outro ano que, hopefullly, será um pouco melhor do que o ano que passou.

Mas fala sério! Por mais racionalista que a gente seja, é muuuito difícil não ter expectativas muito legais a respeito do ano que está chegando. É como se a gente tivesse a oportunidade de começar do zero. Existe uma certa mágica dos novos começos.

E tem que ter mesmo. Se a gente perder a esperança, a vida fica difícil, pesada, rotineira, até insuportável. E não insuportável do tipo muito chata. Insuportável do tipo não vale a pena continuar. Esperança pode parecer um fio muito fininho, uma expectativa meio ingênua, mas pode ser a única coisa que segura muitas pessoas nessa vida. Acredito que suicídio é a completa ausência de esperança. É a pessoa declarando para a vida que não acredita que ela possa melhorar, e por isso é melhor desistir de lutar. Então acredite! Acredite que você pode conseguir um emprego melhor, que você vai conseguir estudar mais e não vai morrer de agonia no final do semestre, que vai investir mais tempo com as pessoas que ama, que vai voltar pra bendita academia e vai terminar 2010 em forma, que vai conseguir por em prática tudo o que planejou. Não acreditar é perder antes de tentar.

A esperança anda assim com a fé. A-do-ro a definição: fé é  a certeza de que vamos receber as coisas que esperamos e a prova de que existem coisas que não podemos ver. A fé é louca, te faz ter paz quando tá todo mundo desesperado, te dá alegria quando você só tem motivo pra chorar e se descabelar, te dá certeza que você vai fazer coisas que ninguém fez ainda. É saber que você não está sozinho nesse mundão do meu Deus. Faz com que pessoas comuns façam coisas extraordinárias.

E por último a gente tem o amor. Ahh gente…a vida sem amor não presta. Sério! Não tem gosto, não tem cheiro, não tem som. Uma vez eu li que o ser humano nasceu para ser amado assim como os pássaros nasceram para voar. Talvez a raiz de todos os males seja a falta de amor. Violência, abandono, fome, guerras, e todas as outras desgraças da humanidade.

Acho que quase todo mundo subestima pelo menos um pouquinho o amor. Parece um conceito meio bobo, ingênuo, pouco prático. Muito adequado no contexto da família e dos amigos, mas absolutamente deslocado em qualquer outro lugar dessa nossa sociedade funcional do século XXI. Provavelmente porque amor hoje em dia está muito misturado com o conceito de paixão. Paixão é sentimento. Amor é atitude. Conheço pessoas que passaram por situações quase insuportáveis por amor. Esse tipo de amor transforma o mundo.

Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três; porém o maior destes é o amor.

Meu desejo de ano novo é que você e eu possamos viver muitas coisas legais em 2010. Que a gente realmente se surpreenda. E que no meio da correria que é essa nossa vida,  a gente não perca a capacidade de esperar coisas boas, a certeza de que elas podem realmente acontecer, e a motivação para fazer tudo o que está ao nosso alcance para que elas se tornem realidade.

Feliz 2010!

Coisas do coração

22 abr

Oi gente…

Estou pensando, pensando e pensando em como começar esse post. Infelizmente nem sempre as palavras acompanham a rapidez e a riqueza dos pensamentos. Estou naqueles momentos em que eu sinto que eu tenho tanto para falar que não sei se vou conseguir me expressar como gostaria. Mas vou tentar.

4_amigas

Bom, vamos começar pelo mais fácil. Acabei de assistir um filme muuuito fofo, que se chama Quatro Amigas e um Jeans Viajante 2. Se você nunca ouviu falar deve estar se perguntando: Isso é nome de filme?! Já tem até continuação?!?! Bom, a resposta é sim e, bem, sim. Inclusive a tradução do nome para o português foi quase literal, então não, não foi nenhuma obra criativa dos tradutores brasileiros. Eu já tinha amado o primeiro, e fiquei toda empolgada quando vi que o segundo tinha saído. Estava planejando ver esse filme há meses e hoje pus fim à minha espera, e não me decepcionei. O filme é lindo, e eu chorei mais de uma vez. Aliás, eu chorei mais de uma vez nos dois filmes, até em momentos que a maioria das pessoas talvez não choraria, e fiquei pensando o porquê. Aparentemente é só mais um típico filme de menina fofo e romântico (categoria que a-do-ro, por sinal), que fala da amizade de quatro meninas (Tibby, Bridget, Lena e Carmem). Mas ele tem um algo a mais, e foi isso que realmente me fez parar e pensar.

Sabe qual é a diferença dele? Ele não mostra apenas amizades, desilusões, primeiro amor e expectativas. Tem tudo isso de sobra, sem dúvida. Mas com toda a carinha de filme leve e superficial ele consegue ser muito profundo com certas questões que poucos filmes exploram hoje em dia: as coisas do coração. Você não apenas vê a atitude das personagens, você realmente entende como elas se sentem, seus medos, anseios, dores, e alegrias. A autora dessa série fez um trabalho maravilhoso que te permite vislumbrar a parte mais profunda das quatro personagens principais. E eu entrei na história…eu chorei com a decepção da Lena, chorei com a dor da Bridget ao lidar com questões de família que até então ela desconhecia, e antes que você pense que o filme é só tristeza, devo também dizer que chorei com a alegria da Carmem ao finalmente se permitir ser quem ela é e com a descoberta da Tibby de que o amor é um risco que vale a pena. É como se eu pudesse tocar na parte mais vulnerável e mais rica das quatro personagens, e pudesse entender exatamente como elas se sentiam.

Agora me diz, por que isso tudo soa tão desconecto da realidade? Por que isso parece estar à milhas de distância da minha puxada rotina que eu retomo amanhã? Por que a vida, no final das contas, tem muito mais a ver com o que você faz do que com o que você sente? E por que só de fazer essas perguntas eu me sinto excessivamente “viajante”?

Acredito que o ponto de partida seja a própria maneira como fomos criados. Acredito em um Deus que tem um coração, não em algum senhor de idade que criou o universo há alguns milênios atrás e desde então se relegou à posição de mero espectador. E acredito que quando ele cria cada pessoa, ele entrega um presente. Ele entrega um coração que é capaz de sentir, criar e se relacionar, um pedaço da própria vida dele em nós. Só que desde que o ser humano se desconectou de Deus ele aprendeu a viver menos com o coração, e mais com as questões “práticas” do dia-a-dia. Ele se limitou àquilo que ele pode ter controle. Não que ele tenha virado um robô ou algo do tipo, até porque se isso fosse verdade não teríamos mais música, artes, casamentos, e tantas coisas que saem essencialmente do coração. Mas até nisso ele deixou o coração passear só até onde não representasse risco e sofrimento, até o limite da conveniência. E talvez esse seja um dos motivos pelos quais vemos tantos divórcios hoje em dia.

De qualquer maneira, todos nós temos um coração. E ele é muito vulnerável mas também muito rico, e a própria consciência disso pode fazer diferença entre ter uma vida significativa ou uma mera sucessão de estágios mais ou menos planejados e com sorte, bem-sucedidos. Deus tem me ensinado a dar a esse fato a mesma importância que Ele dá. E esse é um aprendizado de uma vida.

“Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida.” (Provérbios 4:23)

“…porque o SENHOR não vê como vê o homem, pois o homem vê o que está diante dos olhos, porém o SENHOR olha para o coração.” (1 Samuel 16:7)

Bom, fico por aqui pensando nisso. Abração para todos e até o próximo post……:)

Começando o ano…

9 jan

Oi people!

                                                                                 bebe1

Gente, gente, gente….ainda tem alguém por aí?..rsrs..Três semanas sem postar…só eu mesmo. Mas não foi muito por opção não, na verdade (lá vem a desculpa) uma série de circunstâncias incluindo visitas, viagem e até queda de energia acabaram resultando nessas férias não programadas. Vou procurar não repetir a dose. Mas o fato de eu não ter postado não significa que eu não tenha tentado. Como assim? Vou te explicar. Esse post (o que eu escrevi a partir do próximo parágrafo) começou a ser escrito no dia 26 de dezembro. Eu fui salvando como rascunho, continuei escrevendo outro dia e só terminei hoje. Vou postar na íntegra, acho que vai ficar um pouco esquisito, mas vou correr o risco. Bom, tudo começou em uma sexta-feira…

26/12/08 – sexta-feira

Antes de tudo, FELIZ NATAL a todos 🙂 Eu gostaria de ter tido tempo de colocar um post natalino mas fiquei mais ocupada do que imaginava…de qualquer maneira espero que vocês tenham tido dias especialmente abençoados, os meus foram muito bons.

E como eu passo o ano inteiro meditando sobre tudo o que acontece,  nesses últimos dias eu andei pensando bastante, em várias coisas. Especialmente hoje, que a poeira baixou aqui em casa depois de alguns dias intensos, corridos e gratificantes recebendo pessoas da minha família. Fiquei tão envolvida com tudo o que aconteceu que tive a sensação de entrar em um mundo paralelo. Não tive muito tempo pra pensar, só viver o momento. E fico feliz que tenha sido assim.

Hoje, sentada no sofá da sala no fim da tarde de um dia chuvoso, fiquei pensando em várias coisas que eu vi e percebi durante o ano. Pensei em como é difícil separar os atos das pessoas. Eu tenho minhas convicções, tem coisas que eu simplesmente não tolero ou não suporto porque tenho certeza absoluta que está errado.  E quando eu vejo alguém fazendo uma coisa assim tendo a ficar indignada com a pessoa, ou seja, em vez de direcionar minha desaprovação pra atitude, direciono pra pessoa. E esse é um dos motivos pelos quais eu admiro tanto Jesus. Ele tinha uma habilidade impressionante de diferenciar a ação da pessoa, o pecado do pecador. Ele não tirava a responsabilidade de ninguém, mas era compreensivo o suficiente para entender que por trás de todo comportamento existe um motivo, uma razão, uma história. Ninguém sabe dizer o que realmente está por trás de um motorista estressado, um conhecido que não consegue abandonar um mal hábito, uma resposta ríspida de um atendente. Ninguém sabe o que uma pessoa realmente viveu pra chegar no ponto em que está. E é por isso que julgar o próximo é uma atitude muito covarde, só Deus teria conhecimento de causa para fazer isso. Mas Ele não faz, não é mesmo? Que bom pra gente.

Mas não é fácil, na verdade é um exercício, ser compreensivo. É uma das coisas que eu pretendo levar comigo para 2009. Virtudes nunca sobram 🙂

30 (quase 31)/12/08 – terça-feira

Pois é, acho que estou quebrando recorde ficando quase duas semanas sem postar, maaaas é por um bom motivo: nesse exato momento, estou sentada no lobby de um hotel a poucos metros da praia (esclarecimento: não estou hospedada no hotel, só vim pegar sinal pra net…é, eu sei, espertinha…) Mas isso não importa, porque….yes people, encontrei minha sombra e água fresca.

Bom, eu escrevi esse post ouvindo Norah Jones (desde sexta), então nada mais justo do que colocar alguma coisita dela por aqui. Mas como a energia do hotel acabou de acabar, o sinal de internet foi pro pau e eu estou começando a pensar que alguém deve estar conspirando contra o meu blog, vou ter que postar amanhã. Isso já está virando novela mexicana. Uma semana escrevendo um post.

Opaaaa….a energia voltou. Hum…só porque eu falei. Mas vai saber, né? Vou terminar por aqui logo antes que minha benção tente sair correndo de novo…e continuando, quero colocar dois vídeos da Norah Jones, que é uma artista  excelente e ainda não subiu no nosso palco pra dar uma palhinha.

Feeling the same way – Norah Jones

E a que todo mundo conhece, Don’t Know Why – Norah Jones

Eu gostaria de escrever outro post antes do ano acabar, mas como não tenho garantias, já vou desejar um FELIZ ANO NOVO pra você, e que 2009 surpreenda todos nós com muitas experiências boas, muitos desafios e muitas vitórias. Espero ter muita história e inspiração pra manter esse blog super ativo. 2008 já saiu melhor do que a encomenda. 2009 vai ser tudo de bom.

08/01/09 – quinta-feira (De volta para o futuro)

Pois é gente, e assim começamos 2009. Minhas expectativas estão lá em cima pra esse ano, e Deus já começou me surpreendendo. Vou ficando por aqui, e a qualquer hora estamos de volta comentando sobre qualquer coisa interessante.

Abração e buenas noches……………………………………:)

Não esconda o ouro

22 nov

Hello people!

                                                                        esquilo_super_homem

Tenho tido alguns dias bem musicais ultimamente. Tenho ouvido um bocado de coisa e tenho cantarolado por aqui e por ali. Não tô podendo ver um violão que já tô pegando pra tocar alguma coisinha. De repente me dá a doida e eu saio correndo pela casa caçando o violão (que nunca está no mesmo lugar). E tenho composto algumas coisinhas também. E não é legal? Se você mexe com música que nem eu, se arrisque! Escreva letras, melodias, manda ver. É a sua maneira de se expressar no mundo, e o mundo precisa de gente caruda pra fazer coisas novas.

Agora se você não mexe e já tá pensando em ler outra coisa porque esse post não tem nada a ver com você, don’t go away! Como eu já falei algumas vezes por aqui, todo mundo tem algo bom pra dar pro mundo. O ser humano é um bicho complicado, mas é incrível, cheio de potencial. É só reparar. Eu tenho colegas que são super bons em umas matérias na facu, amigos que são super dedicados e fazem muito bem tudo o que percisam fazer, outros que tem uma super presença e iluminam o lugar onde entram, outros que escrevem super bem, outros que tem tiradas do outro mundo, outros que são muito profundos e sempre tem bons insights…enfim, não existe nada bom nesse mundo que seja inútil. Tudo o que você tem de bom pode ser convertido em algo útil, não só pra você mas (principalmente) para os outros. E o que você tem de sobra, provavelmente está faltando pra alguém. Então, manda bala sem medo de ser feliz 😉 Não esconda o ouro.

E voltando ao meu comentário inicial, eu andei ouvindo algumas coisinhas. Umas delas são as músicas do James Morrison, que estourou novinho (no auge dos seus 22 anos) e tem umas músicas bem legais. Umas delas – You give me something – está na trilha sonora do filme “Melhor Amigo da Noiva”, com o Patrick Dempsey, que é muito fofo. Aqueles filmes gostoooosos de ver, pra rir, pra dar uns suspiros e pra babar na vidinha mais ou menos que os personagens levam em Nova York. Maaas voltando ao que interessa, o James (olha a intimidade) tem bom gosto, e uma das músicas dele é essa do vídeo aí, que está ao vivo. Não é um vídeo oficial, mas dá pra ter um gostinho.

Under the Influence – James Morrison

E por hoje é só. Abração e bom fim de sábado……………………………….:)

(Not) Waiting on the world to change

4 nov

Oi gente!

E como foi a segundona? A minha, pra ser bem sincera, não foi lááá das melhores não. Mas no final do dia o saldo foi positivo, porque Deus precisava me confrontar com algumas coisas. Acho que quando tudo está de vento em popa a gente fica meio avoado e tende a ser mais superficial com algumas coisas. Então até os dias piores tem o seu lugar…

Mas meu dia também não foi uma lástima…rsrs…e eu aproveitei pra dar uma meditada no post da Carol do blog Mulher Total: http://mulhertotal-carol.blogspot.com/search/label/medita%C3%A7%C3%A3o . Eu gostei muito desse post, e fiquei pensando em como a gente é rápido pra reclamar e lerdo pra fazer o que precisa (e pode) ser feito, não é? Todo mundo tem algo bom pra oferecer ao mundo, uma habilidade, um dom, sei lá, alguma coisa. Nem que seja uma roupa no armário que você não usa (mas deixa morgando por lá, vai que algum dia vc resolve usar, né?…é, eu sei como é isso…rsrs), ou uma hora na sua semana pra visitar alguém. Já pensou se eu e você começássemos a usar todo nosso potencial pra fazer algo significativo? Pelo menos uma coisa por dia? Nuuu, ia ser a revolução! Bom, não necessariamente “ia”, porque nada impede. E isso me lembra de uma música do John Mayer, que eu gosto de-más. Nem sei qual era a intenção dele, mas eu acho a letra meio irônica, uma crítica mesmo, e bem pertinente.

Waiting on the world to change – John Mayer

A letra……

Me and all my friends
We’re all misunderstood
They say we stand for nothing
And there’s no way we ever could
Now we see everything that’s going wrong
With the world and those who lead it
We just feel like we don’t have the means
To rise above and beat it

So we keep waiting
Waiting on the world to change
We keep on waiting
Waiting on the world to change

It’s hard to beat the system
When we’re standing at a distance
So we keep waiting
Waiting on the world to change

Now, if we had the power
To bring our neighbors home from war
They would have never missed a Christmas
No more ribbons on their door
And when you trust your television
What you get is what you got
Cause when they own the information
They can bend it all they want

That’s why we’re waiting
Waiting on the world to change
We keep on waiting
Waiting on the world to change

It’s not that we don’t care,
We just know that the fight ain’t fair
So we keep on waiting
Waiting on the world to change

We’re still waiting
Waiting on the world to change
We keep on waiting
Waiting on the world to change
One day our generation
Is gonna rule the population

So we keep on waiting
Waiting on the world to change
No we keep on waiting
Waiting on the world to change

Tradução: http://letras.terra.com.br/john-mayer/697093/

Boa, né? Gente, eu fico pensando em mim. Deus deu uma puxada de orelha em mim hj…rsrs…mas é sério, a minha tendência é me enroscar nos problemas do dia-a-dia, na minha bolha, e deixar os outros se virarem. Mal dá tempo de fazer o que eu tenho que fazer, como é que eu vou colocar os os problemas dos outros na agenda? Hummm….quanta desculpa esfarrapada. Sempre existe tempo suficiente pra fazer o que é realmente importante. E existe muito significado e recompensa em um estilo de vida que prioriza o próximo. Pensa daí o que pode ser feito que eu penso de cá. E se tiver idéias, inspire quem está por perto, inclusive eu.

“Nós devemos ser a mudança que queremos ver no mundo” – Ghandi

Abração e buenas noches………………………..;)

Momentos mágicos

25 out

Oie!

                                                             

Gente, vcs já choraram vendo um trailer? Porque eu acabei de fazer isso! Eu entrei no orkut da Carol (Blog Mulher Total) e vi um vídeo do filme O Som do Coração. Aí fui no youtube procurar o trailer e adivinha o q aconteceu? Me apaixonei pela história. E chorei. Por sinal estou fungando até agora. Tem lógica? Agora estou doida pra pegar o filme, estava até matutando se eu não fazia isso agora. Quem sabe até faço…

O link do trailer: http://www.youtube.com/watch?v=TUW54w0YGow

Eu não sei se vc acredita nisso, mas eu acredito que existe uma certa magia na vida, algo que transcende nosso racionalismo. De vez em quando ela nos pega desprevenidos, e por alguns minutinhos a gente lembra que ela existe, e a vida deixa de ser tão repetitiva. Eu li um livro há um tempo atrás que se chama The Sacred Romance, foi uma amiga americana que me deu e nem sei se já chegou no Brasil. Eu amei o livro, e ele fala de umas coisas muito loucas que eu nunca tinha pensado. Se vc leu alguns posts atrás, deve ter visto que eu acho q Deus é o cara mais romântico que existe. Esse livro vai além. Ele fala que Deus não é só o romance em pessoa, mas que Ele tenta chamar nossa atenção, nos alcançar de alguma forma, Ele quer que a gente faça parte disso. E ele tem várias maneiras de fazer isso. Ele usa músicas, filmes, lugares, pessoas, e tudo que tiver ao alcance Dele pra despertar nossa atenção, nosso coração.

Eu mesmo tenho alguns momentos em que eu senti que Ele estava por trás. Há uns dois anos atrás eu viajei com minha família para os EUA, foi um presente de Deus. Nos primeiros dias nós ficamos em Nova York (ou Iorque, sei lá qual é o certo..rsrs), e eu amei a cidade, adorei mesmo. Nosso segundo dia lá foi em uma sexta-feira, e eu, meu pai e meus irmãos fomos dar uma caminhada lá pela meia-noite, tem um monte de gente na rua a essa hora, o que é um show. Fomos em uma pista de patinação de gelo, na frente do Rockfeller Center, onde eles colocam em época de natal aquela árvore de natal gigante que vc já deve ter visto no Esqueceram de Mim (e quem não viu umas quinze vezes?…rsrs), e ficamos olhando o pessoal patinando. Eu achei o máximo, eles patinam desde pequenos e são muuuito bons. E como eu não quis humilhar ninguém com minha destreza excepcional no gelo, fiquei só assistindo….rsrsrs…ô vontade…Mas enfim, não era época de natal mas as árvores ao redor estavam com iluminação, umas luzinhas lindas, tipo na foto. Eu não sei te explicar, mas eu senti algo muito diferente e bom naquela hora. Não era só o lugar, era como se meu espírito descansasse e eu sentisse uma paz diferente, e eu sabia q algo muito bom estava por trás daquilo tudo. Era O momento. O meu momento com Deus.

                                                     

Essa não foi a única vez. Acho inclusive que deixei passar batido uma boa parte deles. Eles acontecem a qualquer hora, e você não precisa necessariamente estar viajando, e muito menos nos EUA. A maior parte dos meus foram no dia-a-dia, no batidão mesmo. A criatividade de Deus está muito acima da nossa compreensão. Pode ser uma árvore, um céu maravilhoso, uma música sem noção de linda, um filme, não sei. Mas Ele é incansável, e mesmo quando a gente nem percebe Ele continua tentando. E você não precisa ser uma pessoa suuuper sensível pra ter esses momentos, daquelas que acha que tudo é “cachorrinhos e flores” (como diz meu amigo…rsrs). Na maior parte do tempo eu sou super prática e bem racional, sem enrolação. Então se eu eu tenho, todo mundo pode ter.

Esse é um assunto que eu amo de paixão, então fico de escrever mais sobre ele nos próximos posts.

Abração…………………………………..:)